Ipsos Insight: Brasileiro é o que mais valoriza marcas

Estudo realizado em 23 países mostra o país entre os mais receptivos à publicidade

Ipsos Insight: Brasileiro é o que mais valoriza marcas

Autor(es)

  • Diego Pagura Managing Director, Ipsos Connect, Brasil
Get in touch

 

media ooh

 

A crise econômica brasileira retraiu o mercado de consumo, mas ao mesmo tempo fortaleceu a valorização das marcas pela população. O estudo Global Trends Survey, conduzido pela Ipsos em 23 países, coloca os brasileiros entre os mais intensamente conectados às marcas e o que elas representam. O levantamento analisou dois momentos substancialmente diferentes do país: em 2014, num cenário pré-crise; e 2016 após dois anos de crise instalada. O avanço da valorização das marcas e do consumo registrou um aumento de mais de 10 pontos entre os dois períodos. “Temos observado, em diversos ocasiões de momentos de crise, que as pessoas se tornam muito mais seletivas nas suas tomadas de decisões. Nessas horas, fazer a escolha inteligente é essencial. As marcas representam para os consumidores uma opção segura, pela confiança depositada nelas devido à qualidade e, muitas vezes, também pelos valores que elas significam”, afirma Diego Pagura, diretor geral da Ipsos Connect. Analisando o comportamento dos brasileiros sob diferentes aspectos relevantes ao mercado de marketing e comunicação, pode-se afirmar que para 72% (versus 57% em 2014) dos entrevistados as marcas trazem significados os produtos. O dado coloca o Brasil no Top 5 do ranking mundial. Ainda nessa dimensão, 68% (52% em 2014) afirmam que tendem a comprar marcas que refletem valores pessoais, enquanto 59% (41% em 2014) privilegiam produtos de marca quando vão as compras. Outro indicador se relaciona a confiança: 69% dos brasileiros acreditam que, em meio a tantas escolhas, marcas nas quais confiam são mais importantes do que nunca.

Ideais e valores 

O mesmo estudo revela que, para o brasileiro, consumo, poder aquisitivo e destaque profissional estão entre os fatores mais intensamente ligados à realização na vida. Faz sentido, então, que as marcas – estruturas que mais representam e melhor concentram os significados em torno do consumo – recebam uma atenção especial do brasileiro. Os consumidores do País aparecem duas vezes no Top 3 do ranking mundial: Quando perguntados se gostariam que marcas fossem facilitadoras para fazer diferença no mundo (80%) e se a realização na vida está em alcançar destaque na carreira (66%). Já 58% dos brasileiros (54% em 2014) medem seu próprio sucesso pelo que possuem, o que nos coloca de volta ao Top 5 países do estudo. Chama ainda mais atenção nesses dados o fato de que boa parte desse conjunto de indicadores avançou significativamente após o período de crise.

Receptividade à publicidade

A publicidade e comunicação de marca têm nos brasileiros seus mais altos índices de atenção e receptividade entre todos os países pesquisados pelo estudo Ipsos Global Trends Survey. Apesar do desejo identificado globalmente por anúncios online mais relevantes e que melhor preservem a experiência do usuário, os indicadores brasileiros mostram aceitação (e até apreciação) sensivelmente maiores do que os dos demais

países. Quando perguntado sobre anúncios digitais veiculados em diferentes formatos e canais – mídias sociais, vídeos digitais, display, search, direct messages – o Brasil é o 2º país com maior receptividade na quase totalidade de indicadores, atrás apenas da Índia.

Receptividade através de diferentes meios 

Percentual de brasileiros que afirma prestar atenção a anúncios, conforme diferentes meios e devices

(Posição BR) 3º TV 65%

2º Laptop/ Desktop 55%

3º Celular 48%

4º Tablet 40%

4º Jornais e Revistas 52%

5º Cinema 52%

6º Outdoors/ OOH 48%

6º Radio 49%

Percentual que afirma gostar dos anúncios

3º TV 60%

2º Laptop/ Desktop 56%

3º Celular 46%

1º Tablet 46%

3º Jornais e Revistas 51%

2º Cinema 55%

5º Outdoors/ OOH 46%

3º Radio 48%

ANÁLISE

Foco no longo prazo

Muito se discutiu nos últimos anos, e ainda em 2017, em torno do tema branding e performance, e a intensidade de cada modalidade de comunicação no cenário brasileiro. Recomendamos que a comunicação e as iniciativas de branding sejam igualmente mantidas durante períodos de crise, ou especialmente nesses. Comunicação de branding faz parte de iniciativas de longo prazo e empresas que têm esforços com foco no longo prazo tendem a manter suas marcas mais fortes e superar seus competidores. O bom equilíbrio dessas duas vertentes de comunicação, aliado a estratégias que priorizam complementariedade de meios e canais, é fundamental especialmente no Brasil.

** Matéria publicada na edição impressa do jornal Meio&Mensagem.

Autor(es)

  • Diego Pagura Managing Director, Ipsos Connect, Brasil