Ipsos/World Economic Forum - Climate Change

Maioria dos brasileiros já mudou algum hábito de consumo por preocupação com mudanças climáticas. Levantamento realizado para o Fórum Econômico Mundial mostrou que 68% dos entrevistados no Brasil mudaram algum comportamento.

Autor(es)

  • Marcos Calliari CEO Ipsos no Brasil
Get in touch

Sete em cada dez brasileiros (68%) dizem já ter modificado hábitos de consumo devido à preocupação com as mudanças climáticas: 25% contam que fizeram muitas modificações e 43% fizeram algumas. Por outro lado, 20% negam qualquer alteração nesse sentido. Os dados são da pesquisa “Climate Change and Consumer Behavior”, realizada pela Ipsos para o Fórum Econômico Mundial.
Globalmente, 69% dizem ter modificado hábitos de consumo por causa do clima, sendo que 17% fizeram muitas mudanças e 52% realizaram algumas. Enquanto 23% não mudaram nada. 
Os consumidores mostraram maior inclinação a relatar modificações de hábitos para combater as mudanças climáticas na Índia (88%), México (86%), Chile (86%), China (85%), Malásia (85%) e Peru (84%).
O Japão foi o único país estudado onde apenas uma minoria (31%) diz ter feito qualquer alteração de comportamento por causa das mudanças climáticas, enquanto quase metade (47%) nega ter tomado qualquer atitude. Os três outros países onde mais de um terço dos entrevistados negou qualquer alteração são EUA (36%), Holanda (35%) e Rússia (35%).
Decisões individuais
No Brasil, o hábito que mais mudou foi a quantidade de água utilizada em casa: 66% dos entrevistados afirmam que alteraram essa questão. O segundo ponto foi o volume ou frequência da reciclagem (52%), juntamente com a quantidade de energia elétrica utilizada em casa (52%). Logo depois aparece volume ou frequência da reutilização de produtos (48%).
Globalmente, o ranking dos comportamentos que mais mudaram é o mesmo (com alguns percentuais diferentes): quantidade de água usada em casa (60%), reciclagem (57%), uso de energia elétrica (55%) e reutilização de produtos (50%).   
A pesquisa on-line foi realizada com 19,9 mil entrevistados em 28 países, incluindo o Brasil, entre 25 de outubro e 8 de novembro de 2019. A margem de erro para o Brasil é de 3,5 p.p.

Autor(es)

  • Marcos Calliari CEO Ipsos no Brasil

Sociedade