Brasileiros defendem uso de bicicleta para reduzir poluição e trânsito

Pesquisa “Ciclismo ao Redor do Mundo” mediu a percepção de cidadãos do Brasil e outros 29 países sobre bicicletas

Autor(es)

  • Marcos Calliari CEO Ipsos no Brasil
Get in touch

A nova pesquisa “Ciclismo ao Redor do Mundo”, realizada pela Ipsos, revelou que 91% dos brasileiros defendem que o uso de bicicletas é importante para a redução de emissões de carbono. O Brasil aparece empatado na terceira posição com Malásia e México. China e Peru lideram, com 94% de respostas afirmativas. A média geral das nações que participam do estudo é de 86% de concordância.
Os brasileiros também aparecem como destaque na defesa do ciclismo como alternativa para redução do trânsito. Quando questionados, novamente 91% responderam que a modalidade tem papel importante. No ranking mundial, o Peru aparece outra vez no topo com 94% de respondentes que afirmam. Empatado com o Brasil na segunda posição está a China, também com 91% de respostas positivas. Neste recorte os Estados Unidos aparecem em último lugar, com um índice de apenas 62%. 
Tendência urbana
O estudo perguntou se os entrevistados concordam ou não com a frase “o ciclismo é uma tendência urbana”. Segundo o levantamento, 78% dos brasileiros responderam que concordam, acima da média das nações pesquisadas (68%). Outra vez é o Peru quem lidera, com 86% de afirmações. Hungria, por sua vez, aparece no último lugar, com somente 41%. 
Bicicletas são bem-vistas
De um modo geral, 84% dos brasileiros disseram ter opiniões favoráveis sobre bicicletas. Mais uma vez o Brasil aparece acima da média geral, que neste caso ficou em 82%. O apoio às bicicletas é maior na Polônia, com 93% de respostas favoráveis. A Grã-Bretanha puxa a outra ponta, com apenas 64%. 
Sobre a pesquisa
A pesquisa foi realizada entre os dias 25 de março e 8 de abril de 2022. Foram entrevistadas 20.057 pessoas on-line, sendo aproximadamente 1.000 no Brasil, com idades entre 16 e 74 anos. No Brasil, a margem de erro é de 3,5 pontos percentuais. 
Além do Brasil, integram a pesquisa: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Bélgica, Canadá, Chile, China, Colômbia, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Holanda, Hungria, Índia, Itália, Japão, Malásia, México, Peru, Polônia, Romênia, Rússia, Singapura, Suécia e Turquia.

Autor(es)

  • Marcos Calliari CEO Ipsos no Brasil

Sociedade