Igualdade no trabalho: 51% das brasileiras consideram-se feministas

A pesquisa “Dia Internacional das Mulheres 2022” também aponta a percepção dos brasileiros em relação à igualdade entre homens e mulheres no país

Autor(es)

  • Priscilla Branco Manager Public Affairs, Brasil
Get in touch

Pesquisa “Dia Internacional das Mulheres 2022”, feita pela Ipsos, revela que mais da metade das mulheres brasileiras (51%) consideram-se feministas. O estudo faz parte de um levantamento realizado pela Ipsos em 30 países. As brasileiras ficaram acima da média global (47%) entre as mulheres que concordaram com a frase “eu me defino como feminista”. 
Segundo o levantamento, a lista de nações com mais mulheres feministas é puxada pela Romênia (80%), seguida de Índia, Malásia e África do Sul (todas com 64% de respostas afirmativas). Na outra ponta, os menores índices foram registrados pela Rússia (17%), Japão (21%) e Coréia do Sul (24%). 
Igualdade insuficiente?
Quando questionados se a luta pelos direitos iguais entre homens e mulheres chegou a um patamar suficiente, o Brasil é líder de insatisfação: para 70% dos respondentes – compostos por homens e mulheres –, o país ainda deve avançar em promover mais igualdade. Considerando apenas as respostas das mulheres, o índice sobe para quase 80%. 
Atrás do Brasil, as nações com pessoas que mais acreditam na necessidade de mais avanços em igualdade são Romênia (61%), Japão (60%) e Grã-Bretanha (55%). A média global entre os 30 países estudados é de 45%. 
Igualdade no trabalho
A pesquisa também aborda a percepção dos entrevistados sobre igualdade de tratamento para homens e mulheres em locais de trabalho. Neste quesito, o Brasil novamente se destaca liderando a insatisfação: para 75% dos respondentes, as empresas não tratam ambos os sexos com igualdade. Se considerarmos novamente apenas as respostas das mulheres, o índice vai para 84%.
Depois do Brasil, a lista de pessoas que concordam que não há igualdade entre homens e mulheres nas empresas é composta por Japão e Chile (ambos com 64%), seguidos pela França (58%). A média mundial é de 50%. 
O que falta? 
Para alcançar mais igualdade, 68% dos brasileiros concordam que deve haver mais mulheres em cargos de liderança nas empresas e em órgãos governamentais. Entre as mulheres, o índice de aprovação à ideia é de 76%. No mundo, em média, 58% dos respondentes concordam. 
Segundo outro dado levantado pela pesquisa, as mulheres não alcançarão igualdade sem apoio dos homens. Para 76% dos entrevistados do Brasil, haverá igualdade quando homens tomarem medias para apoiar os direitos das mulheres. Levando-se em consideração apenas a percepção das mulheres, o índice sobe para 80%. A média global de respostas afirmativas neste quesito é de 69%. 
Sobre a pesquisa
A pesquisa “Dia Internacional das Mulheres 2022” foi realizada entre os dias 21 de janeiro e 4 de de fevereiro. Foram entrevistadas 20.524 pessoas on-line, sendo aproximadamente 1.000 no Brasil, com idades entre 16 e 74 anos. Para o Brasil, a margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.
Além do Brasil, integram a pesquisa: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Bélgica, Canadá, Chile, China, Colômbia, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Holanda, Hungria, Índia, Itália, Japão, Malásia, México, Peru, Polônia, Romênia, Rússia, Singapura, Suécia e Turquia.

Autor(es)

  • Priscilla Branco Manager Public Affairs, Brasil

Sociedade