Quatro em cada 10 brasileiros acham que quarentena deve ter fim mesmo sem contenção do coronavírus

Mesmo com anseio por reabertura do comércio, 68% admite que terá medo de sair de casa ao fim do isolamento

Autor(es)

  • Marcos Calliari CEO Ipsos no Brasil
Get in touch

Para 40% dos brasileiros, deve ser permitido que os comércios abram suas portas mesmo sem que a Covid-19 esteja totalmente contida, a fim de que a economia se restabeleça. Este é o resultado do levantamento mais recente da pesquisa Tracking the Coronavirus, realizada semanalmente pela Ipsos com entrevistados de 14 nações. A média também é de 40%.
Considerando todos os países ouvidos no estudo, o Brasil ficou em sexto lugar entre os que mais anseiam pela reabertura dos negócios. O primeiro lugar do ranking ficou com a Rússia, com 60% dos participantes declarando ser favoráveis ao fim da quarentena para o comércio. Em segundo, está a China (58%) e, na terceira posição, a Itália (53%).

People are divided over whether the economy should open if COVID-19 is not fully contained | Coronavirus | Global Advisor | Ipsos

Na outra ponta da lista, o Reino Unido garantiu o pódio entre as nações mais cautelosas: apenas 23% dos entrevistados locais acreditam que os comércios devem poder reabrir ainda que não haja a contenção do vírus. O Canadá ficou em segundo lugar, com 25%, e o Japão em terceiro, com 28%.
Medo de sair de casa
Paradoxalmente ao movimento de brasileiros ansiando pelo retorno da atividade econômica, mais da metade dos entrevistados no país externalizaram certo receio de voltar à rotina: 68% disseram que, caso os comércios abram suas portas e as viagens se restabeleçam, sentirão preocupação ao sair de casa. A média entre os entrevistados é de 65%.

People are divided over whether the economy should open if COVID-19 is not fully contained | Coronavirus | Global Advisor | IpsosA Índia, o Japão e a China são os mais temerosos entre os 14 países participantes do estudo, com 78%, 77% e 72%, respectivamente, dos participantes demonstrando insegurança com o retorno à vida pós-quarentena. Já os europeus Alemanha (44%), Itália (49%) e Rússia (57%) são os menos preocupados. 
A pesquisa on-line foi realizada com 28.029 adultos de 14 países entre os dias 16 e 19 de abril de 2020. A margem de erro é de 3,5 p.p..

 

Autor(es)

  • Marcos Calliari CEO Ipsos no Brasil

Sociedade