Surto de coronavírus deve impactar mercado financeiro e economia global

Metade dos entrevistados globalmente vê o vírus como uma ameaça ao mundo e maioria em todos os países sondados acredita que surto levará meses para ser contido

Autor(es)

  • Marcos Calliari CEO Ipsos no Brasil
Get in touch

De acordo com uma pesquisa on-line realizada pela Ipsos em 9 países, o Japão é a nação que mais acredita que o surto de coronavírus impactará os mercados financeiros e a economia global. No país asiático, 84% dos entrevistados concordam com essa afirmativa. O ranking segue com Austrália (80%), Itália (78%), Rússia (76%), Canadá (76%) e França (73%). Os cidadãos dos Estados Unidos (62%) e do Reino Unido (60%) são menos propensos a concordar com o alto potencial de impacto.
A análise dos perfis demográficos de cada país sugere que aqueles nas faixas de renda mais altas são mais propensos a crer que o vírus terá impacto nos mercados financeiros. A pesquisa foi conduzida entre 14 e 15 de fevereiro e ouviu 9.001 adultos dos seguintes países: Austrália, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos.
Dois em cada três japoneses consideram o vírus uma ameaça muito alta ou alta para o mundo (66%), seguidos por Itália (59%), Austrália (57%), Alemanha (54%), França (52%) e EUA (52%). Por outro lado, um pouco menos da maioria das populações do Reino Unido (47%), Rússia (46%) e Canadá (42%) percebem o surto como uma ameaça alta ou muito alta. 
Os resultados são amplamente consistentes com uma pesquisa anterior, de mesmo tema, realizada de 7 a 9 de fevereiro de 2020 pela Ipsos. Ao analisar os dois estudos em comparativo, nota-se:
Leve aumento na percepção de ameaça: Alemanha (+5), Reino Unido (+4), Rússia (+4) e França (+3);
Nenhuma mudança na percepção de ameaça: Japão e Canadá;
Leve diminuição na percepção de ameaça:  Austrália (-4) e EUA (-3).
O nível percebido de ameaça direta, em contrapartida, permaneceu estável ou diminuiu ligeiramente em quase todos os países, com exceção do Japão, onde um em cada quatro ouvidos vê o vírus como uma ameaça pessoal muito alta ou alta para eles (aumento de até 9 pontos em relação à semana passada). As percepções de ameaça direta são menores na França (7%) e no Canadá (5%).
A maioria em cada um dos países analisados acredita que o surto não será contido tão cedo. Menos de um em cada dez crê que o vírus já está contido, enquanto aproximadamente sete em cada dez afirmam que levará vários meses ou mais para a contenção. A visão mais pessimista é a do Japão, com 88% indicando que a contenção tardará vários meses ou mais. O pessimismo é menor na Rússia e nos EUA (60% dos entrevistados em cada país creem que demorará meses).

coronavirus_pt_br


Sobre o Estudo
Estes são os resultados de uma pesquisa da Ipsos realizada de 14 a 15 de fevereiro de 2020 na plataforma online Global Advisor com 9.0001 adultos entre 18 e 74 anos no Canadá e nos Estados Unidos, e entre 16 e 74 anos na Austrália, França, Alemanha, Itália, Japão, Rússia e Reino Unido. 
A amostra consiste em aproximadamente 1000 indivíduos de cada país. As amostras na Austrália, Canadá, França, Alemanha, Japão, Reino Unido e EUA podem ser vistas como representativas da população adulta geral desses países com menos de 75 anos. Já a amostra na Rússia é mais urbana, mais educada e/ou mais rica do que a população em geral e deve ser vista como reflexo das visões do segmento mais "conectado" da população. Os dados são ponderados para que a composição amostral de cada mercado reflita melhor o perfil demográfico da população adulta de acordo com os dados censitários mais recentes. 
Quando os resultados não somam 100 ou a 'diferença' parece ser maior ou menos do que a real, isso pode ser decorrente do arredondamento, de múltiplas respostas ou de exclusão de respostas “não sei opinar”.
A precisão das pesquisas online da Ipsos é calculada usando um intervalo de credibilidade com uma pesquisa de 1.000 pontos percentuais para +/- 3,5 pontos percentuais. Para obter mais informações sobre o uso de intervalos de credibilidade da Ipsos, visite o site da Ipsos.
A publicação desse estudo cumpre regras e regulamentos locais.
Este estudo não teve patrocinadores ou parceiros externos. Foi realizado pela Ipsos com a intenção de compartilhar nosso entendimento sobre o mundo em que vivemos e mostrar o que os cidadãos em todo o mundo pensam e sentem sobre ele.
 

Autor(es)

  • Marcos Calliari CEO Ipsos no Brasil

Sociedade