8 em cada 10 brasileiros acreditam que vacina contra Covid-19 precisará ser tomada anualmente

Só 23% dos entrevistados no país concordam que, com número de casos de Covid-19 em queda e retomada de vida pré-pandemia, não será necessário reforço

Autor(es)

  • Fabrizio Maciel Head Healthcare, Brasil
Get in touch

A vacina contra a Covid-19 veio para ficar. Pelo menos, é o que acredita a maioria dos entrevistados em 12 dos 13 países analisados pela Ipsos para o Fórum Econômico Mundial no fim do mês passado. Para 83% dos brasileiros, será preciso, pelo menos, tomar um reforço anual da vacina para se manter protegido. O país é o segundo no ranking, atrás apenas do México, onde 85% acreditam na necessidade de revacinação. Reino Unido aparece em terceiro lugar, com 77%.  A Rússia, com 43%, é o país que menos acredita na necessidade de um reforço anual entre os 13 sondados.

A maioria dos brasileiros (69%) também acredita que a prioridade deve ser a aplicação da primeira dose para todos os que querem antes de iniciar o reforço.

Só 23% dos entrevistados no Brasil concordam que, com número de casos de Covid-19 em queda e retomada de vida pré-pandemia, não será necessário reforço do imunizante. O país com menor percentual de concordância é o México (16%), seguido por Austrália (17%) e Reino Unido (19%).  Mais uma vez, com 53%, a Rússia é o único país onde uma maioria acredita que o reforço contra a Covid-19 não será necessário neste contexto.

 

Reforço de vacina hoje? Sim!

O Brasil é o país com maior propensão a tomar a dose de reforço contra a Covid-19 uma vez completamente vacinado, entre os 13 pesquisados. 96% dos entrevistados concordaram com a afirmação “se o reforço da vacina estivesse disponível para mim hoje, eu o tomaria”. México aparece em segundo lugar, com 93%, e China, em terceiro, com 90%. 

A Ipsos entrevistou 9.500 pessoas on-line em 13 países, incluindo o Brasil, entre 26 e 30 de agosto. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.
 

Autor(es)

  • Fabrizio Maciel Head Healthcare, Brasil

Sociedade