Perceções dos consumidores em relação ao comércio interno e transfronteiriço

Fique a conhecer a última edição do “Consumer Conditions Survey”, um estudo contínuo desenvolvido pela Ipsos para a Comissão Europeia, cujo trabalho de campo decorreu nos 27 Estados Membros da União Europeia.

A edição de 2021 do estudo "Consumer Conditions Survey", desenvolvido pela Ipsos para a Comissão Europeia, analisou as atitudes, comportamentos e experiências dos consumidores em relação ao comércio interno e transfronteiriço, em cada um dos 27 Estados-Membros da União Europeia (UE27), bem como na Islândia, Noruega e Reino Unido (consulte a ficha técnica no fim da página).

Infográfico Portugal Consumer Conditions Survey 2021Entre os principais temas abordados está a confiança e o conhecimento dos consumidores face aos seus direitos e às instituições que os defendem. Segundo o estudo, a confiança depositada nas organizações não governamentais enquanto atores ativos na proteção dos direitos dos consumidores está, para os portugueses, ao mesmo nível da confiança depositada nas autoridades públicas. 70% confiam nas organizações não governamentais, 70% confiam nas autoridades públicas e 64% acreditam que os retalhistas e prestadores de serviços respeitam os seus direitos, ainda que Portugal seja um dos 3 países em estudo que menos refere confiar nestes últimos players.

A par deste tipo de tópicos, o estudo permite também saber mais sobre as atitudes e comportamentos em relação ao comércio online: a confiança depositada nas compras online e a legitimidade dos retalhistas, a frequência com que foram adquiridos bens no decorrer do ano 2020 e a atenção dada pelos consumidores às políticas de devolução de produtos. Em Portugal, menos de metade (44%) sente-se confiante a comprar online bens ou serviços a retalhistas e fornecedores localizados no seu próprio país, enquanto 35% sentem-se confiantes de o fazer a retalhistas e fornecedores localizados num outro país da UE.

A segurança percebida dos produtos, a resolução de conflitos tais como reclamações e devoluções, as práticas comerciais e contratuais desleais e publicitárias ilícitas, e, por fim, as promessas ambientais por parte das marcas, são outros temas que ganham destaque ao longo do estudo Consumer Conditions.

A edição de 2021, cujo trabalho de campo decorreu no fim do ano de 2020, inclui também uma secção destinada ao impacto da crise Covid19 nas atitudes e comportamentos dos consumidores.
Saiba mais sobre estes resultados no infográfico “Portugal: Consumer Conditions Survey”, bem como no relatório completo disponível para download.

No decorrer do projeto foi ainda desenvolvido um Dashboard Interativo que permite aceder a todos os resultados globais de uma forma dinâmica. Aceda aqui!


O estudo foi realizado a amostras representativas dos consumidores em cada um dos 27 Estados-Membros da União Europeia (UE27), bem como na Islândia, Noruega e Reino Unido. Foram realizadas 1000 entrevistas por país (exceto Luxemburgo, Malta, Chipre e Islândia, onde foram realizadas 500 entrevistas), a indivíduos com 18 anos ou mais, através de metodologia CATI – Computer Assisted Telephone Interviewing. O trabalho de campo desta última edição do estudo ocorreu entre 21 de outubro e 1 de dezembro de 2020. No decorrer da análise comparativa entre 2020 e 2018, deverá ser tido em conta que o trabalho de campo de 2020 ocorreu durante a pandemia Covid-19, um período de agitação social e económica, o que pode influenciar as respostas.